Destaque Noticia

Daniel Alves cobra união contra racismo, e Grafite diz que política do futebol atrapalha ativismo

Convidados de um dos painéis desta quarta-feira do World Football Summit (WFS), evento organizado pelo ex-jogador Ronaldo, o lateral-direito Daniel Alves, do São Paulo, e o ex-atacante Grafite, comentarista do SporTV , debateram sobre ativismo de jogadores no futebol atualmente. Sob a mediação da apresentadora Glenda Koslowski em transmissão de vídeo, deram suas opiniões sobre como os atletas podem se posicionar contra racismo e outros preconceitos para ajudar na conscientização do meio.

O lateral cobrou dos organizadores do futebol brasileiro uma posição mais firme com quem comete atos de racismo.

– Sinto falta de uma união das federações no Brasil.

“Precisam deixar de ser egoístas, pensando nelas e nos benefícios que o esporte pode trazer, e começar a pensar naqueles que eles estão representando”

– Deveria se fazer valer todo o poder que o esporte tem – afirmou.

Grafite destacou a dificuldade que os jogadores têm para organizarem ações coletivas contra o racismo ou a favor de outras causas.

– É difícil se posicionar em um esporte que não é individual. O futebol é uma coisa muito política, é difícil para os jogadores se reunirem e realizarem um evento.

– O futebol tem aquela parte política que limita os jogadores de tomar partido fora do campo – criticou.

Grafite foi vítima de ofensas racistas do zagueiro argentino Leandro Desábato em jogo do São Paulo contra o Quimes, pela Copa Libertadores, em 2005. O adversário foi preso, mas depois liberado. Para o ex-atacante, hoje em dia, com a carreira consolidada, acha mais fácil tomar posição.


– Quando você é um jogador consagrado, é mais fácil para nós nos posicionarmos. Mas para aqueles que estão começando e ainda não têm um nome, é difícil. Estou falando dentro do futebol, em outros esportes eu não tenho conhecimento. Agora, com os movimentos que ocorreram ao redor do mundo, a luta contra o racismo vai ser mais igualitária.

Em 2014, Daniel Alves comeu uma banana atirada em campo durante jogo do Barcelona contra o Villarreal. Seis anos depois, disse que vai continuar se posicionando contra o que for quando bem entender.

– Continuarei incentivando grande parte da união dos povos, dos atletas. Tomo uma posição quando tenho que tomar uma posição, quando tenho que expressar minha opinião. É uma questão mundial, todos têm que se unir, fazer uma defesa – disse.

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

Veja a provável escalação do São Paulo contra o Goiás na estreia do Brasileirão

saopauloadmin6 de agosto de 2020

Dani Alves se manifesta após queda: ‘Jamais me verão atrás do pelotão’

saopauloadmin30 de julho de 2020

Organizada do São Paulo detona dirigentes, jogadores e questiona Fernando Diniz: “Treinador que onde passa, fracassa”

saopauloadmin30 de julho de 2020

São Paulo Morumbi é eliminado pelo Mirassol

saopauloadmin29 de julho de 2020

Pablo freia empolgação por boa fase no São Paulo: “Se não fizer gols, vão cobrar”

saopauloadmin29 de julho de 2020

Quartas de final do Paulistão, o que esperar

saopauloadmin28 de julho de 2020

Técnico do São Paulo faz elogio a desempenho dos reservas: “Todos jogaram bem”

saopauloadmin27 de julho de 2020

São Paulo treina em Cotia e vai escalar reservas contra o Guarani

saopauloadmin25 de julho de 2020

No Morumbi, São Paulo 2 x 3 Red Bull Bragantino

saopauloadmin24 de julho de 2020