Destaque Noticia

Diniz elogia melhora do São Paulo e sai em defesa de Daniel Alves

No último domingo, o técnico Fernando Diniz esteve impossibilitado de acompanhar o São Paulo no banco de reservas. No Morumbi, o Tricolor empatou com o Fortaleza, em 2 a 2, mas garantiu a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil nas penalidades. Nesta segunda, o comandante elogiou o trabalho de sua equipe e saiu em defesa de Daniel Alves, um dos nomes que foram criticados no último fim de semana.

– Fizemos um primeiro tempo primoroso. A gente fez um bom jogo em Fortaleza, que mereceu ganhar. Foram dois bons jogos. A gente oscilou menos ontem, teve chances de fazer mais gols no primeiro tempo. No segundo, o jogo foi mais aberto, com um erro que a gente cometeu. A gente colocou o Fortaleza no jogo quando saiu o primeiro gol deles – afirmou o técnico Fernando Diniz.

Depois de sair vencendo, por 2 a 0, o São Paulo cedeu o empate nos 15 minutos finais da partida. Nos pênaltis, embora o momento emocional estivesse a favor da equipe nordestina, o Tricolor conseguiu reverter a situação e conseguiu a vitória, por 10 a 9. O comandante também fez questão de elogiar seu time por superar a adversidade.

– Emocionalmente o time foi perfeito ontem depois que tomou o empate. Era pra ter se abatido, mas foi o contrário. Envolvimento de jogadores, não teve abatimento. Senso de união, colaboração, segurança que um passa para o outro. Treinamos muito pênalti. Não foi casualidade, foi trabalho.

Por fim, Fernando Diniz defendeu o camisa 10 Daniel Alves. O astro tricolor vem sendo criticado pelo seu rendimento em campo e, principalmente, pela sua permanência em campo durante as partidas do São Paulo. Contra o Fortaleza, o meia foi pouco efetivo e saiu de campo criticado.

– Entrega mutias coisas, falo desde o ano passado, teve momentos de cobrança. Ele entrega mais do que vocês imaginam. É nossa maior referência. Ele entrega muitas coisas, no campo daria pra ver também, mas a gente enxerga mais as coisas superficiais, quando erra um passe ou acerta. Tem taxa de trabalho sempre grande, corre o tempo todo, sempre bate recorde no GPS. Coloca todo mundo para cima, tem frieza para decidir, espírito de luta invejável. É um grande privilégio ter o Daniel – encerrou o treinador do São Paulo.

Confira outros trechos da coletiva de Fernando Diniz:

Sobre Léo, autor do gol que levou o São Paulo às quartas da Copa do Brasil
É um jogador que ganhou muita representatividade mesmo. Pode jogar de lateral, de quarto zagueiro e pode ser que jogue de outras coisas também. É um jogador versátil, de boa estatura. Acho que foi um prêmio para ele (bater o pênalti decisivo) até para coroar a semana na qual ele postou esse vídeo, uma lição de vida para todo mundo e a gente deve olhar mais para esses aspectos. O Léo não é exceção, não tem surpresa na história dele. Só foi contada de maneira bonita, como é bonito o Léo. Uma pessoa que entrega 100%, é um grande exemplo. A história de vida dos nossos jogadores é essa, o padrão se repete. Temos que saber dar suporte. Léo é um sobrevivente e um vencedor.


Sobre relação com a diretoria
Internamente, sempre tive muito respaldo, fui valorizado. Fora, a gente oscila conforme os resultados. A gente tem que ganhar jogos e campeonato, para o torcedor é isso. Só se satisfaz com resultado, vitórias, títulos. Temos que continuar trabalhando, mas o trabalho em si frutifica. Time tem jeito de jogar, está cada vez mais sólido, soube passar por muitas provações.

Sobre o atacante Brenner
O trabalho com Brenner e Igor Gomes é contínuo, como com todos os jogadores. Alguns conseguem ser titulares e se destacar. Acho que vou falar mais uma vez: temos que saber se aproximar dos jogadores. A maior parte dos problemas não é tático, físico ou técnico. É saber oferecer um continente em que o jogador possa se sentir confortável. O Brenner eu levei para o Fluminense, entrava quase todo jogo. Quando saí, ele não foi mais relacionado. Pedi que se reintegrasse aqui. É muito talentoso, tem carisma do gol, é frio, técnico. Mas é jogador que precisa de apoio e tempo. Não dá para resolver o problema de todo mundo, mas quando tem a predisposição de ajudar a pessoa que está por trás do jogador.

Sobre as substituições no segundo tempo da partida
Quanto às substituições, tem que fazer a análise de quando o jogo estava 2 a 1. Qual a substituição a ser feita? Se a gente tivesse feito o terceiro gol com Luan, a pergunta teria a mesma pertinência? O desempenho não muda. A gente não tava conseguindo fazer pressão alta, ia ter que jogar de transição.

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − nove =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

Cairia bem no Tricolor? De saída, estrela do Manchester City pode retornar ao futebol brasileiro

saopauloadmin30 de novembro de 2020

São Paulo marca 61% dos seus gols no segundo tempo

saopauloadmin29 de novembro de 2020

CBF admite erro da arbitragem na revisão de gol do São Paulo

saopauloadmin26 de novembro de 2020

Diniz não garante substituto de Brenner, mas afirma: “Confiança plena em quem entrar”

saopauloadmin25 de novembro de 2020

Apesar de empate frustrante, São Paulo atinge 12 jogos de invencibilidade e está perto de 3a maior marca em Brasileiros desde 2006

saopauloadmin23 de novembro de 2020

Ceni pede ao juiz para jogo acabar: “Meu time sem chance”

saopauloadmin19 de novembro de 2020

Vai ter festa no Morumbi! Quarta-feira às 19h00, recepção do ônibus tricolor

saopauloadmin16 de novembro de 2020

Rodrigo Nestor comemora estreia no São Paulo: ‘Sonhava desde criança’

saopauloadmin15 de novembro de 2020

Brenner foi aposta de Ceni no São Paulo aos 17 anos; hoje é carrasco

saopauloadmin12 de novembro de 2020