Destaque

Discurso de Jardine não é traduzido em campo, e São Paulo se vê em crise

Efetivado no comando técnico do São Paulo em novembro do ano passado, André Jardine assumiu a equipe profissional com um discurso de jogo ofensivo, intenso, de movimentação e com apreço pela posse de bola. Internamente, as ideias do treinador eram vistas como a melhor alternativa para reconstruir a tão abalada imagem do clube, acostumado a colecionar fracassos nos últimos anos. Dentro de campo, no entanto, o trabalho do comandante não tem surtido efeito até aqui e o futebol apresentado pelo Tricolor em nada tem a ver com o projeto.

Neste início de temporada, mas, principalmente, nos dois últimos jogos contra, respectivamente, Talleres, da Argentina, e Ponte Preta, o São Paulo teve atuações ruins e em dissintonia com o discurso de seu treinador. A proposta ofensiva e organizada deu lugar ao improviso. Mesmo com nomes de peso como Hernanes e Nenê, o Tricolor demonstrou desorganização com e sem a posse da bola. Mesmo com pontas abertos e com um centroavante de ofício, raras são as finalizações ao gol adversário (quatro em Córdoba e zero em Campinas).
O principal, problema, no entanto, está na dupla de volantes. Responsável por proteger os zagueiros, dar sustentação aos laterais e auxiliar na criação de jogadas, o setor não está funcionando da forma como deveria. Hudson, Jucilei, Araruna, Liziero, Willian Farias e até mesmo Hernanes foram testados por lá, mas não conseguiram ser efetivos. Sem o domínio no meio de campo, o São Paulo não consegue aplicar suas ideias ofensivas.

A posse de bola, embora tenha registrado números altos, não é traduzida naquilo que foi idealizado por André Jardine. Com os meias em baixa, os jogadores de frente não têm a oportunidade de criar chances de gol. Sendo assim, os jogadores que mais são vistos com a bola são os zagueiros, laterais e ponteiros. O São Paulo domina o jogo, mas sem dominar de fato. Quando encontra um adversário defensivo, como foi no último sábado, contra a Ponte, o time é induzido a atacar e abre espaços para o contra-ataque.


Na próxima quarta, às 21h30, o São Paulo tem seu maior desafio na temporada. Em casa, contra o Talleres, os comandados de André Jardine tentam reverter a derrota, por 2 a 0, na Argentina, para seguir vivo na Copa Libertadores. Sendo, ou não, fiel às suas ideias, o treinador precisa encontrar uma maneira de fazer a equipe render e, principalmente, ser efetiva. Depois, caso isto aconteça, haverá um novo desafio: aliar teoria e prática. Se não der certo, o clube está fadado a mergulhar em uma crise com pouco mais de um mês desde o início dos treinos em 2019.

FOnte: Lance

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Destaque

Mais em Destaque

Mancini nega injustiça com Jean no São Paulo e “pede respeito ao clube”

saopauloadmin21 de março de 2019

São Paulo só empata com rebaixado São Caetano, mas garante a classificação

saopauloadmin21 de março de 2019

Cuca “ganha” volante e São Paulo deve ter retorno de lateral da base

saopauloadmin20 de março de 2019

Hernanes sai com dores e deve desfalcar o São Paulo em decisão

saopauloadmin17 de março de 2019

#EstaremosSempreJuntos: sábado é dia de todos no Pacaembu

saopauloadmin14 de março de 2019

Com portões fechados, Mancini comanda treino coletivo no São Paulo

saopauloadmin13 de março de 2019

Tricolor pressiona, mas empata com a Ferroviária

saopauloadmin10 de março de 2019

São Paulo empresta Araruna ao Fortaleza até dezembro

saopauloadmin8 de março de 2019

São Paulo e Fluminense tornam a conversar

saopauloadmin6 de março de 2019