Destaque

Discurso de Jardine não é traduzido em campo, e São Paulo se vê em crise

Efetivado no comando técnico do São Paulo em novembro do ano passado, André Jardine assumiu a equipe profissional com um discurso de jogo ofensivo, intenso, de movimentação e com apreço pela posse de bola. Internamente, as ideias do treinador eram vistas como a melhor alternativa para reconstruir a tão abalada imagem do clube, acostumado a colecionar fracassos nos últimos anos. Dentro de campo, no entanto, o trabalho do comandante não tem surtido efeito até aqui e o futebol apresentado pelo Tricolor em nada tem a ver com o projeto.

Neste início de temporada, mas, principalmente, nos dois últimos jogos contra, respectivamente, Talleres, da Argentina, e Ponte Preta, o São Paulo teve atuações ruins e em dissintonia com o discurso de seu treinador. A proposta ofensiva e organizada deu lugar ao improviso. Mesmo com nomes de peso como Hernanes e Nenê, o Tricolor demonstrou desorganização com e sem a posse da bola. Mesmo com pontas abertos e com um centroavante de ofício, raras são as finalizações ao gol adversário (quatro em Córdoba e zero em Campinas).
O principal, problema, no entanto, está na dupla de volantes. Responsável por proteger os zagueiros, dar sustentação aos laterais e auxiliar na criação de jogadas, o setor não está funcionando da forma como deveria. Hudson, Jucilei, Araruna, Liziero, Willian Farias e até mesmo Hernanes foram testados por lá, mas não conseguiram ser efetivos. Sem o domínio no meio de campo, o São Paulo não consegue aplicar suas ideias ofensivas.

A posse de bola, embora tenha registrado números altos, não é traduzida naquilo que foi idealizado por André Jardine. Com os meias em baixa, os jogadores de frente não têm a oportunidade de criar chances de gol. Sendo assim, os jogadores que mais são vistos com a bola são os zagueiros, laterais e ponteiros. O São Paulo domina o jogo, mas sem dominar de fato. Quando encontra um adversário defensivo, como foi no último sábado, contra a Ponte, o time é induzido a atacar e abre espaços para o contra-ataque.


Na próxima quarta, às 21h30, o São Paulo tem seu maior desafio na temporada. Em casa, contra o Talleres, os comandados de André Jardine tentam reverter a derrota, por 2 a 0, na Argentina, para seguir vivo na Copa Libertadores. Sendo, ou não, fiel às suas ideias, o treinador precisa encontrar uma maneira de fazer a equipe render e, principalmente, ser efetiva. Depois, caso isto aconteça, haverá um novo desafio: aliar teoria e prática. Se não der certo, o clube está fadado a mergulhar em uma crise com pouco mais de um mês desde o início dos treinos em 2019.

FOnte: Lance

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Mais em Destaque

Mancini diz que só aceitou ser interino por Cuca: ‘É o técnico ideal’

saopauloadmin15 de fevereiro de 2019

São Paulo contrata Cuca

saopauloadmin14 de fevereiro de 2019

Reapresentação com novidades para semana de decisão

saopauloadmin11 de fevereiro de 2019

Organizada ameaça elenco e Leco e diz que prazo é até 4a feira

saopauloadmin7 de fevereiro de 2019

Nos últimos quinze jogos por competições sul-americanas, SP acumula treze expulsões

saopauloadmin7 de fevereiro de 2019

Sob tensão! São Paulo perde para Talleres e se complica na Liberta

saopauloadmin7 de fevereiro de 2019

Apostas: São Paulo tem estreia complicada na Libertadores

saopauloadmin5 de fevereiro de 2019

Profeta já mira Talleres: “Libertadores é raça e coração”

saopauloadmin3 de fevereiro de 2019

São Paulo vence com gol de Hernanes e alivia pressão antes de decisão

saopauloadmin3 de fevereiro de 2019