Noticias

Menon: Cobertura do Morumbi fica pronta antes do time

Muricy, antes do início do jogo contra a Portuguesa, disse que o São Paulo havia mudado em relação a 2013: agora há mais união e disciplina. ”Estamos construindo um time”, afirmou, repetindo o que havia dito na semana passada. Então, prometera que o São Paulo teria um time ao final do Paulista.

A bola rolou e não se viu nenhum avanço em relação à derrota contra a Ponte Preta. Não é de se estranhar muito. Basta ver o que aconteceu no intervalo. Muricy trocou Wellington por Denílson, que não soube explicar o motivo: “acho que é porque ele tem amarelo”. Que alento pode ter a torcida quando sai Wellington e entra Denílson? O que pode mudar tática ou tecnicamente? E esse negócio de trocar jogador que tem amarelo é triste, não? O cara não consegue se segurar 45 minutos sem fazer uma falta feia?

Roger Carvalho estreou. E qual foi o lance mais perigoso contra o São Paulo? Gol de William Magrão, de cabeça, mal anulado. Continua o problema. Entra um, sai outro, volta aquele que havia saído e nada muda. Bola pelo alto é pânico.

Ganso continua lento e sem entender o jogo. Provou na entrevista pós-jogo em que acusou a Portuguesa de ser um “time que veio para não jogar”. Mentira, porque a Lusa teve chances, sempre pelo lado esquerdo do ataque. Caio perdeu um gol feito. Pabón impediu um gol ao jogar o corpo contra a bola. Houve chances contra o São Paulo, sim. Apesar da cera.

Mas, o que mais me preocupar no Ganso é esse modo de encarar o futebol. Um time grande, um time que luta por títulos, sempre vai ter pela frente equipes que apostam na defesa, que se armam atrás e apostam no contra-ataque. Ao craque do time, cabe a responsabilidade de superar esse problema proposto pelo rival. Cabe criar soluções criativas e não ficar choramingando.

O São Paulo está demorando para se acertar. Basta comparar com a Portuguesa que tinha, em relação ao time do ano passado, dez novidades. Apenas Vanderson era titular. Tom, Diego Augusto, Brian, Renan e Henrique eram reservas. Régis, William Magrão, Rudnei, Rondinelli e Leandro chegaram agora. Com tantas dificuldades, o time já tem uma cara, já sabe o que pode e o que deseja em campo. Contra o São Paulo, marcou bem e foi muito perigoso pela esquerda, em cima de Luís Ricardo e a cobertura de Wellington.

Já passou da hora de o São Paulo ser um time bem montado. Caso contrário, a cobertura do Morumbi, prevista para daqui a 18 meses, fica pronta antes.

Fonte: Blog do Menon / Uol}

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Noticias

Mais em Noticias

Em noite de Copa do Brasil, São Paulo estreia mascote em homenagem a Leônidas da Silva

saopauloadmin30 de dezembro de 2020

Muricy fala de sua função no São Paulo

saopauloadmin15 de dezembro de 2020

Hernanes empata com Dodô no ranking dos maiores artilheiros do São Paulo no Brasileiro

saopauloadmin10 de dezembro de 2020

Fora! Pato encaminha rescisão de contrato com o São Paulo e se despede do elenco

saopauloadmin19 de agosto de 2020

10 fatos que orgulham todos os torcedores do São Paulo

saopauloadmin9 de julho de 2020

Dodô diz que quando jogou no são Paulo recusou ofertas do Barça e Inter de Milão

saopauloadmin16 de junho de 2020

São Paulo reforça posição contra o racismo: ‘Vidas negras importam’

saopauloadmin1 de junho de 2020

Osorio fala sobre saída do São Paulo em 2015

saopauloadmin31 de maio de 2020

Osorio diz ter saudade do São Paulo e coloca volta ao Brasil como um de seus 3 objetivos

saopauloadmin29 de maio de 2020