Destaque Noticia

“Reage, reage” ordem de Diniz contagia elenco na pré-temporada do São Paulo

O São Paulo iniciou sua pré-temporada na última quarta-feira e um grito tem ecoado constantemente pelo CFA Laudo Natel, em Cotia. “Reage, reage”, brada Fernando Diniz. É o código para que os jogadores não se abatam após uma perda de bola e marca uma das ideias de jogo que o técnico quer afinar para o Tricolor em 2020.

Esses gritos estão ligados a uma estratégia de marcação chamada “perde-pressiona”. O conceito é simples: ao perder a bola no campo de ataque, o time precisa ser agressivo e reagir imediatamente para tentar tomar a bola do adversário. Quanto mais rápido isso acontecer, as chances de retomada da posse aumentam e a distância para o gol rival fica menor.

O torcedor do São Paulo já viu bastante desse conceito em dois momentos recentes do clube. Em 2015, Juan Carlos Osorio era um adepto ferrenho do “perde-pressiona”. Dois anos depois, os ensinamentos do colombiano inspiraram Rogério Ceni a tentar fazer o mesmo. Para isso, os técnicos costumam apostar em times mais intensos e velozes, capazes de encurralar os adversários antes mesmo de a bola cruzar o meio de campo.

Diniz quer que isso seja uma marca do São Paulo deste ano. O técnico conversa sobre isso com o grupo desde o ano passado, mas entendia que seria preciso mais tempo de treinamento para que a equipe ficasse ajustada para a estratégia. Caso contrário, o time se adianta com o objetivo de pressionar e recuperar a posse, mas o faz de forma desordenada e deixa buracos na transição defensiva.

Um exemplo de como um “perde-pressiona” mal executado pode castigar uma equipe aconteceu com o São Paulo no Campeonato Paulista de 2018, sob o comando de Dorival Júnior. O agora treinador do Athletico Paranaense sempre foi um incentivador dessa tática e também quis usá-la no Tricolor, mas um elenco mais pesado e ainda sem afinação para isso acabou se adiantando frouxamente contra o Santos e permitindo gol de Gabigol no Morumbi.


É por isso que Diniz tem sido tão insistente com os pedidos de “reage, reage”. A mensagem precisa ficar automática no subconsciente do jogador. O “perde-pressiona” precisa se tornar natural, espontâneo. E até aqui os jogadores têm mostrado boa recepção para a ideia. Não à toa, alguns dos atletas ajudam a reforçar os gritos do técnico, como o goleiro Tiago Volpi, o zagueiro Bruno Alves ou o volante Luan.

A estratégia acaba servindo também como um trabalho psicológico para evitar cenas de jogadores se lamentando após um gol ou uma bola perdida, enquanto o adversário se arma para contra-atacar. Diniz quer mais concentração e foco no jogo coletivo e cobra muito os meias e atacantes quando esses se viram para lamentar um passe ou um drible que não entrou.

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 12 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

Diniz defende Arboleda: “Esperamos que todos voltem a aplaudir porque ele sabe que errou e vai recuperar”

saopauloadmin24 de janeiro de 2020

Abel pede volante do São Paulo

saopauloadmin23 de janeiro de 2020

São Paulo inscreve 22 jogadores para o Paulistão; Oito Jogadores ficam fora da lista

saopauloadmin22 de janeiro de 2020

Reading, clube de Alexandre Mattos na Inglaterra, conversa sobre Liziero e Araruna

saopauloadmin16 de janeiro de 2020

Diniz faz testes e utiliza jogadores em diferentes funções

saopauloadmin15 de janeiro de 2020

Diniz desconversa sobre emprestados, mas não descarta utilizá-los: “Tudo pode acontecer”

saopauloadmin10 de janeiro de 2020

PVC: “Entregamos todo o fracasso do São Paulo no Diniz mas não é dele. 8 diretores em 5 anos, 4 técnicos em 2019, o São Paulo tem que parar de mudar”

saopauloadmin9 de janeiro de 2020

Veja como o São Paulo retorna aos treinos para nova temporada

saopauloadmin8 de janeiro de 2020

Decepções e surpresas do São Paulo em 2019

saopauloadmin7 de janeiro de 2020