Destaque Noticia

São Paulo já deverá ser outro após uma semana de treinos com Diniz

Luiz Felipe Scolari e Mano Menezes comandaram a seleção brasileira entre as Copas de 2010 e 2014. Ambos fracassaram em seus clubes na atual temporada, um já substituiu o outro, mas o fato é que os dois se desgastaram com trabalhos fracos em 2019.

Oswaldo de Oliveira, no Fluminense; Cuca, pelo São Paulo; Zé Ricardo, no Fortaleza; e Rogério Ceni, no Cruzeiro, foram os técnicos que deixaram seus clubes, demitidos ou pedindo o boné, quase ao mesmo tempo entre quinta e sexta-feira. Vítimas ou vilões?

Generalizar é, obviamente, um erro, mas não são raros os treinadores que desvalorizam, cada vez mais, a velha argumentação segundo a qual é preciso dar tempo para que possam trabalhar. Por que o tempo passa e não se vê qualquer evolução.

Era o caso do São Paulo. Cuca assumiu em meio às finais do Campeonato Paulista, em abril, teve semanas livres para treinamentos desde que o time saiu da última competição de mata-mata, a Copa do Brasil, mas em campo jamais mostrava progressos.

Os são-paulinos tiveram 44 dias sem jogos em intervalo de 58, mais do que qualquer outra equipe da Série A. Primeiro pela paralisação do campeonato para a disputa da Copa América, depois pelo adiamento do duelo com o Athletico, que foi jogar no Japão.

Somando as noites de quarta e quinta-feira sem jogos a esses amplos períodos sem entrar em campo para partidas oficiais, os tricolores estiveram em condição única. Ninguém teve tanto tempo para treinamentos, para aprimoramento coletivo.

Foram, na prática, semanas desperdiçadas. O São Paulo pratica um futebol ruim, incompatível com a qualidade do elenco, que recebeu inúmeros reforços, como Daniel Alves, Juan Fran, Pato, Tchê Tchê, Vítor Bueno e outros. O próprio Cuca fez uma espécie de mea culpa em sua entrevista de despedida. Parecia ciente de que não foi capaz de fazer funcionar o time. Não diria que é um vilão, afinal, sua intenção era boa. Mas também não dá para dizer que foi vítima.


Sem ele e com Fernando Diniz no comando, o time foi pragmático e atuou para não perder contra o Flamengo, no Maracanã. Compreensível pelo momento, insuficiente para o futuro imediato. O elenco é bom o bastante para fazer mais. Pelota de pé em pé, pressão no campo oponente… Já foi assim na atividade desta segunda-feira, quando Diniz deu treino tático com prioridade à posse de bola, trocas rápidas de passes e, atenção, a saída de jogo!

Após uma semana, já deverá ser bem diferente do que se viu ante o Flamengo. Um time com características do novo treinador, sábado, contra o Fortaleza, no Pacaembu, quando o ídolo maior, Rogério Ceni, será adversário.

Mauro Cezar Pereira – UOL

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − catorze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Destaque Noticia

Mais em Destaque Noticia

São Paulo tem seis pendurados contra o Cruzeiro; veja a lista

saopauloadmin16 de outubro de 2019

Jucilei volta em boa condição física, faz bom treino e pode reaparecer no fim de semana

saopauloadmin15 de outubro de 2019

São Paulo vence jogo-treino contra sub-17; Juanfran e Toró trabalham à parte

saopauloadmin14 de outubro de 2019

Sem Pablo e Juanfran, Fernando Diniz comanda treino com retorno de Raniel

saopauloadmin11 de outubro de 2019

Juanfran relembra trajetória no futebol e diz: “o São Paulo é minha família”

saopauloadmin9 de outubro de 2019

Everton não deve operar joelho, mas pode voltar só em 2020 no São Paulo

saopauloadmin4 de outubro de 2019

Diniz permanece com filosofia de futebol e diz ser mais competitivo em relação aos trabalhos anteriores

saopauloadmin4 de outubro de 2019

Para pagar Daniel Alves, Tricolor monta plano especial

saopauloadmin4 de outubro de 2019

Veja: Ricardo Rocha critica Mancini

saopauloadmin1 de outubro de 2019