Destaque

São Paulo torna pública sua ‘nova postura’ e segura joias de Cotia

O São Paulo tornou pública nessa terça-feira, na entrevista coletiva de Raí e Alexandre Pássaro, o que já vinha sinalizando ao mercado há alguns meses: embora atravesse um momento de dificuldade financeira, não vai vender os jovens de Cotia que estão se destacando no profissional para estabilizar o caixa. Os dirigentes, inclusive, anunciaram que acabam de recusar 20 milhões de euros por Antony.

– A estratégia é mantê-los, primeiro de tudo, para que eles deem o retorno esportivo. Essa é uma mudança de postura do São Paulo, que começou no ano passado e esse ano se intensifica. A gente quer ter retorno esportivo nos próximos dois anos, e esse retorno esportivo também vai gerar retorno financeiro – disse Raí, diretor de futebol.

Abaixo, o LANCE! detalha a estratégia traçada pela diretoria são-paulina para mudar a imagem do clube, que nos últimos anos potencializou sua fama de vendedor.

Essa postura vem desde o ano passado mesmo?
O São Paulo realmente tem tentado segurar os garotos por mais tempo desde a chegada de Raí, no fim de 2017. Neste período, houve três negociações de jovens que causaram irritação em parte da torcida. A saída mais sentida foi a de Éder Militão, que era titular da equipe que liderava o Brasileirão de 2018. A diretoria justifica que a situação dele é muito particular, já que fez inúmeras tentativas de renovar o contrato e todas foram recusadas. Para que o jogador não saísse de graça, o Tricolor o vendeu ao Porto (POR) por 4 milhões de euros e garantiu mais 10% de uma transferência futura, além do mecanismo de solidariedade.

As outras duas negociações envolveram jovens campeões da Copinha de 2019: Tuta e Gabriel Novaes. Tuta foi negociado por que o São Paulo considerou a proposta do Eintracht Frankfurt muito boa para um jogador que teria concorrência enorme na posição, incluindo outros zagueiros de Cotia considerados mais talentosos. Já Gabriel Novaes foi emprestado ao Barcelona B com opção de compra, mas antes disso renovou por cinco anos.

Segundo Alexandre Pássaro, gerente de futebol, o empréstimo foi um “pedágio” que o São Paulo pagou para que ele aceitasse renovar o vínculo. O clube brasileiro procurou o Barça para que essa negociação saísse.

Quem são os garotos inegociáveis?

Além de Antony, o mais assediado deles, os jovens que estão em alta no clube são os zagueiros Walce e Morato, os volantes Luan e Liziero, o meia Igor Gomes e o atacante Toró. Todos eles têm sido utilizados com frequência no profissional, à exceção de Morato, que tem só 17 anos e ainda não estreou. Mesmo assim, todos no clube apostam que ele terá futuro brilhante.

Todos eles, por sinal, tiveram renovações contratuais recentes. Antony, devido ao destaque e ao assédio do exterior, conversa para ter um novo reajuste salarial.

Qual é a multa dos garotos?

O São Paulo estipulou um padrão para todas as suas joias: para levá-los sem negociação, os clubes do exterior precisam desembolsar 50 milhões de euros. Isso vale inclusive para alguns atletas que não são da base, caso do recém-chegado Raniel.

Empréstimos são possíveis

Nem todos os jovens que subiram de Cotia nos últimos meses conseguiram espaço no elenco principal. O zagueiro Rodrigo, de trajetória brilhante na base, jogou só uma partida oficial na temporada e depois perdeu espaço. O clube, então, resolveu emprestá-lo por um ano ao Portimonense (POR) para que ele possa se desenvolver e voltar pronto para brigar por posição- ou valorizado para ser vendido.

É um caminho que pode ser seguido, por exemplo, pelo atacante Helinho. Ele foi bem nas primeiras oportunidades que teve, em 2018, mas depois caiu de rendimento e viu Antony tomar sua frente. Além disso, o ataque foi bastante reforçado nos últimos tempos, com Calazans, Pato, Vitor Bueno, Raniel… Se aparecer alguma possibilidade de empréstimo, o clube vai analisar.

Como fazer dinheiro sem vender os garotos?

Fechar as portas para a saída dos garotos não significa que o São Paulo não vá ouvir propostas por nenhum jogador. O clube acredita que o zagueiro Arboleda será procurado pelo mercado europeu e, dependendo do valor oferecido, se dispõe a negociá-lo. Lucas Fernandes, integrado nesta semana ao elenco após empréstimo ao Portimonense (POR), também é observado no exterior e pode ser vendido se aparecer algo considerado bom. O mesmo vale para Júnior Tavares, que estava na Sampdoria e ainda não sabe se será recolocado no grupo tricolor.

Não é segredo para ninguém: o São Paulo precisa de dinheiro. Com problemas de fluxo de caixa, o clube atrasou alguns pagamentos a jogadores nos últimos meses e também recorreu a empréstimos bancários. A contratação de Raniel, por exemplo, só foi possível por que o empresário André Cury se dispôs a emprestar o valor a ser pago ao Cruzeiro e receber, com juros menores que os de mercado, só a partir de janeiro.

O orçamento de 2019 prevê arrecadação de R$ 120 milhões com transferências, valor que ainda está longe de ser batido: o clube faturou aproximadamente R$ 57,2 milhões com as vendas de Tuta (R$ 7,6 milhões) e Rodrigo Caio (R$ 22,2 milhões) e com a ida de Militão para o Real Madrid (R$ 25 milhões), além do bônus pré-estipulado pela classificação do Lille de Thiago Mendes para a Champions League (R$ 2,2 milhões).

A diretoria ainda torce para que David Neres seja negociado pelo Ajax (HOL), já que o São Paulo teria direito a 20% do valor e mais uma porcentagem por ter sido o clube formador. 

– Se o São Paulo abrir a boca, com três ou quatro desses jovens pode fazer muito mais do que o número citado (R$ 120 milhões). Mas não é a intenção do São Paulo. Queremos agir com inteligência, tem outros jogadores, outras formas de captação – disse Raí.

Recado aos jovens do futuro

O São Paulo está tentando mudar a maneira como os jovens e seus empresários o enxergam. Em vez de ser apenas uma vitrine para que os recém-promovidos da base chamem a atenção da Europa rapidamente, quer ser um clube em que eles finquem raízes, evoluam, tornem-se vitoriosos e se valorizem para vendas ainda mais estrondosas.

– Que o menino que está na base e seus agentes saibam que ele não vai aparecer no profissional e logo ser vendido. Pode ser que aconteça, mas não será uma regra. Estamos fazendo isso com o respaldo do presidente Leco. Ele está de acordo com nossa estratégia. O São Paulo passa por problemas financeiros que seriam facilmente resolvidos se a gente abrisse as portas para a venda desses jogadores, mas não é o que queremos. Não significa que jogadores desse elenco ou que estavam emprestados não possam ser negociados. Nosso planejamento é para que os meninos que estão jogando fiquem e se valorizem – completou Pássaro.

Clique para adicionar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 − 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Destaque

Mais em Destaque

“Merecemos vencer”, diz Cuca após triunfo do São Paulo sobre o Botafogo

saopauloadmin21 de setembro de 2019

Cuca explica posicionamento de Daniel Alves e inversões com Tchê Tchê

saopauloadmin16 de setembro de 2019

Tricolor marca no fim e empata com o CSA

saopauloadmin16 de setembro de 2019

Formação inédita para domingo?

saopauloadmin12 de setembro de 2019

Excesso de cartões cria desfalques seguidos e também complica São Paulo

saopauloadmin11 de setembro de 2019

Cuca lamenta derrota para o Inter, admite queda de rendimento e fala sobre o peso dos desfalques

saopauloadmin8 de setembro de 2019

Tricolor conclui mais um dia de treino na Barra Funda

saopauloadmin5 de setembro de 2019

Jogadores do São Paulo projetam duelo ‘decisivo’ contra o Internacional

saopauloadmin5 de setembro de 2019

“Vamos recuperar estes pontos nas próximas rodadas”

saopauloadmin31 de agosto de 2019